loader-logo

Introdução Alimentar e seus aprendizados

O ato de comer envolve diferentes habilidades, sendo que o bebê irá desenvolvê-las conforme for crescendo.

O início da alimentação complementar (também chamada de introdução alimentar) marca o primeiro encontro do bebê com os alimentos. A Organização Mundial de Saúde recomenda que essa introdução alimentar ocorra por volta dos 6 meses de vida, pois é nessa época que o bebê está mais preparado para isso.

introdução alimentar

Para esse início da alimentação complementar, devemos sempre considerar o desenvolvimento do bebê, que é contínuo desde o seu nascimento.

Ao nascer, o bebê saudável apresenta dois principais reflexos de sobreviência relacionados à nutrição:

· o reflexo de procura (necessário para encontrar o seio materno para abocanhá-lo e começar a mamar);

· o reflexo de sucção (que permite extrair o leite do seio materno para se alimentar).

Com o passar do tempo, o bebê irá começar a adquirir, a partir desses reflexos, o controle voluntário da musculatura e assim irá assimilar novos movimentos, incluindo os relacionados à alimentação.

def144 4512dddbb791464db40afa6a31be8a8c~mv2

No método tradicional de introdução alimentar, o bebê é auxiliado o tempo todo – é o adulto quem escolhe o que o bebê vai comer, a quantidade, e coloca os alimentos (na forma de papas ou

purês) na boquinha do bebê. Dessa forma, o bebê acaba por ter um papel mais passivo na condução da introdução alimentar.

Ao contrário do método tradicional, o BLW, na sua forma mais pura, não inclui quaisquer talheres ou o fato do bebê se alimentar através de um adulto. Ao invés disso, o bebê é incentivado a se alimentar com os mesmos alimentos que a família está habituada a consumir, desde o início de sua alimentação complementar.

Os alimentos são apresentados ao bebê em toda a sua forma, e ele auto-seleciona, agarra, traz para a boca e come por sua pópria vontade. E para isso, devemos considerar os sinais de desenvolvimento (ou sinais de prontidão) do bebê.

De uma forma geral, os bebês que tem a oportunidade de se alimentarem de forma mais independente irão desenvolver essas habilidades mais rapidamente quando comparados aos bebês que são auxiliados em todo o processo. Essa tem sido a principal vantagem descrita em relação ao método BLW de introdução alimentar.

E como costuma ocorrer o desenvolvimento do bebê em relação à alimentação?

As habilidades relacionadas à alimentação tendem a aparecer no bebê de forma natural, com o passar do tempo, na seguinte ordem:

1. Abocanhar o seio materno;

2. Estender a mão para tentar pegar objetos interessantes;

3. Agarrar objetos e levá-los à boca;

4. Explorar objetos com o lábio e a língua;

5. Morder um alimento;

6. Mastigar;

7. Engolir;

8. Capturar objetos pequenos utilizando o movimento de pinça (entre o dedo indicador e o polegar).

Então, do nascimento até a primeira comidinha do bebê, será uma jornada e tanto! Um período de exploração sensorial, intenso aprendizado e aquisição de novas habilidades, até que seja possível fazer uma refeição completa.

def144 c4122a8844c049dcbdd2007c3d13c4d9~mv2

Por que isso é importante?

Porque a forma como a alimentação complementar é conduzida pode afetar a longo prazo o ganho de peso e as atitudes alimentares do bebê.

Então, é importante que as refeições sejam feitas em ambiente calmo, que envolvam paciência e respeito aos sinais de desenvolvimento.

O controle por parte dos pais, a restrição da dieta e a pressão para comer tem mostrado que o bebê diminui sua capacidade de regular a ingestão de alimentos de acordo com o seu apetite (autorregulação). Já a restrição do consumo de alimentos pode conduzir a um efeito contrário, aumentando o consumo quando o acesso a esses alimentos é finalmente permitido.

Quer uma ajudinha para saber se seu bebê já está pronto para a introdução da alimentação complementar? Baixe aqui seu Guia dos Sinais de Prontidão! É gratuito 😉

Bibliografia:

Rapley, G.; Murkett, T. Baby-led weaning: helping your baby love good food. London:Vermillion, 2008.

RAPLEY, G. Baby-led weaning: transitioning to solid foods at the baby’s own pace. Community Pract 2011; 84: 20–23.

Bebê IA




Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.